A pele de Gaia


Estas imagens são do que convencionamos chamar de montanhas, mas são também de sulcos na pele de Gaia. Heim? Pois sim, vamos explorar uma analogia bastante simples. Voltamos, novamente, a idéia da pariedade entre micro e o macro, o que está em cima está em baixo, e assim por diante.

Olhe de perto a face da sua mão, mas bem de perto mesmo. Observe a textura da sua pele, os poros que se abrem mais e são mais espalhados em certos pontos, são mais próximos entre si em outros. Observe os pêlos que nascem todos na mesma direção, e aqueles que teimam em nascer no sentido oposto. Observe o nó dos seus dedos, essas figuras enrugadas, maleáveis. Olhe atentamente por debaixo da pele, onde as veias azuis-esverdeadas distribuem-se, nutrindo o seu corpo. Repare na ponta dos seus dedos, onde nascem as unhas, esse tecido mais duro, de queratina, e veja como ela vai mudando suavemente sua coloração até desprender-se da pele. Procure por pintas, acnes, verrugas, marcas, dobras, cicatrizes… aprecie a unicidade e a variedade que é a sua pele, o maior órgão do corpo humano.

Agora olhe novamente para as imagens acima. Não torna-se clara a percepção de que são essas as imagens de uma pequena parte do organismo tão grande em que habitamos, tão diverso e ao mesmo tempo tão único? Um ser tão imenso que ao olhar desatento passa desapercebido, frio, inerte? Como poderíamos cair na ilusão de que são essas montanhas apenas resultado de um acidente geográfico, um amontoado morto de pedras, gelo e neve? Não percebes como estão elas também vivas, pulsantes, dinâmicas. São o resultado de uma pele que se estica e comprime, que move-se para cima ao longo dos éons, esculpida pela água e pelo vento, pulsante através das estações.

Da próxima vez que defrontar-se com florestas, planícies, rios, lagos, mares, falésias, morros ou quantos outros “acidentes geológicos”, tente observá-los de um ângulo mais próximo, mais íntimo, e perceberás ainda melhor a beleza jamais estática que é o nosso planeta vivente, a entidade GAIA.

5 thoughts on “A pele de Gaia

  1. leandroferreira

    nada mais que acidentes geográficos… qualquer teoria que fuja disso só ganharia respeito se for plausível.

    Reply
  2. Júlio

    Essa teoria do Vítor me parece bem plausível, afinal, ele nunca disse que não são acidentes geográficos..

    Reply
  3. Pingback: Branca Vitrine «

  4. Pingback: Branca Vitrine | Calefação

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s